LEMBRETE!

Palavras, silêncio... Tudo fere se estamos ressentidos.
Gi Barbosa

sábado, 22 de outubro de 2016

AMORES DE MENTIRINHA

Tem período da vida que a gente só quer amar e ser amado(a) e de tanto querer baixa a guarda e se permite encontrar um grande amor. Não é exagero dizer que a gente flutua, nossos pensamentos fluem cheios de delírios e de desejos ( bem como diz a música) e parece que viver vale mais a pena que de costume.

Quando se pensa ter perto aquilo que todos buscam incessantemente ( mesmo os que dizem não se importar) a existência é um sonho com direito a borboletas no estômago, suspiros e ais. E quem não gosta de suspiros e ais ,não é?
Mas na sociedade condicionada ao descarte raro é o amor encontrado que não acabe num dado momento se encantando de outro ser humano, continuando uma busca do que supostamente você já tinha achado.
Pois é amigos, e quem pode dizer que não se enganou de metade da laranja e qual apaixonado poderia adivinhar que aquela luva não foi feita para a sua mão , embora seja nisso que queira acreditar.
Há amores de mentirinha e em boa parte dos casos é bom acreditar  neles que não acreditar em nada.
Pode ser que a sensação de perder um suposto amor não seja tão agradável quanto é o de encontrá-lo, contudo faz parte da vida viver e ser feliz por um tempo com esses AMORES DE MENTIRINHA.
Gi Barbosa Carvalho.

0 comentários:

Postar um comentário